Duas Flores

A Duas Flores

São duas flores unidas
São duas rosas nascidas
Talvez do mesmo arrebol,
Vivendo,no mesmo galho,
Da mesma gota de orvalho,
Do mesmo raio de sol.

Unidas, bem como as penas
das duas asas pequenas
De um passarinho do céu…
Como um casal de rolinhas,
Como a tribo de andorinhas
Da tarde no frouxo véu.

Unidas, bem como os prantos,
Que em parelha descem tantos
Das profundezas do olhar…
Como o suspiro e o desgosto,
Como as covinhas do rosto,
Como as estrelas do mar.

Unidas… Ai quem pudera
Numa eterna primavera
Viver, qual vive esta flor.
Juntar as rosas da vida
Na rama verde e florida,
Na verde rama do amor!

Castro Alves, Espumas Flutuantes, 1870.

6 Comments

  1. Duas flores?
    Se na fotografia estão retratadas duas flores, então o que será o Camerando na vida real? Será um tojo? Uma erva daninha nesse jardim?
    😀

    Gostei da tonalidade escolhida para a fotografia. E a silhueta foi muito bem realçada, aliado ao efeito do reflexo de luz na água.
    Parabéns às flores e já agora, também à erva daninha. :
    -P

    1. Remus,

      A tonalidade não foi propriamente uma escolha. Neste dia as tonalidades do sol, mar, e mistura de ambos, estavam impressionantes. Executei apenas um leve acerto de sombras para reduzir o fortíssimo ofuscamento contra-luz, na tentativa de reproduzir o que vi e senti.

      Ah, eu sou o FOTÓGRAFO neste jardim 😀

  2. Ahhhh! Mas o romantismo por aqui anda em alta!! 🙂
    A silhueta ,com a linha branca a delineá-la, resultou muito bem, mas o meu detalhe preferido é o tremeluzir (na mão da flor 1 e na flor 2) criado pelo reflexo da água.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *